Medo

Vou-me valer do facto que ninguém vai ler isto porque, na realidade a maior parte das pessoas não lê as legendas das fotos, e vou escrever.

Não estão a ler? 

 

Bom! Sendo assim, "aqui vai alho" vou então começar alegre e contente (mentira, cheia de medos, porque é que eu estou a fazer isto mesmo?).

Ando há muito tempo numa luta interior brutal (brutal é capaz de ser um bocado exagerado, vá uma luta grande, pronto isto anda-me a chatear), tenho vontade de começar a escrever textos sobre " o que mora aqui dentro " gostam da metáfora? Esmerei-me... Enfim, expor-me, coisa pouca. Mas tenho um medo terrível que me achem ridícula; que deixem de gostar de mim; que tirem o like da página; que digam: Olha-me esta parva; que os meus amigos pensem, o que é que esta foi fazer agora? De onde é que isto veio? Não vou continuar, mas confiem em mim, eu pensei em muito mais coisas que isto.

 

Resumindo e concluindo, só motivos bons para eu fazer isto (se ainda não me conhecem eu apresento-me, olá o meu nome é Cristina e adoro ironia, se isto continuar (oh meu deus aonde é que eu me vou meter, ganha juízo Cristina, pára enquanto podes), irão ver muito disto por aqui, ironia e um ou outro erro ortográfico e gramatical, as minhas professoras de português queixavam-se sempre que eu dava muito erros e as composições não eram famosas... vou ignorar o facto e prosseguir.)

 

Por isso ando a sabotar esta minha vontade, e fico quieta no meu canto, mas sempre com a cabeça a mil, a pensar no que gostava de dizer ou fazer, vocês são iguais?

 

É difícil expormo-nos e dizermos o que sentimos/queremos/somos realmente (digam que sim, para eu não me sentir sozinha), porque ficamos vulneráveis e expostos às criticas (as pessoas não vão gostar de nós e etc etc etc, e quer queiramos quer não, queremos todos ser aceites e validados).

 

Mas não sei se sabem o nosso pior crítico somos nós, não posso ter medo das criticas que me possam fazer, porque na realidade já eu as fiz todas a mim mesma, e quase sempre piores do que as criticas que possam vir de fora, e acreditem, a maior parte das vezes as pessoas estão-se a borrifar-se.

 

Eu nem quero imaginar as coisas que ficam por fazer e dizer, no fundo, andamos todos a escondermos-mos um pouco ( aqui eu queria mesmo era utilizar a palavra muito, mas decidi ser "querida"). E ficamos sem fazer/dizer o que queremos por medo...

 

No outro dia em conversa com uma amiga, ela confessou-me que achava que só ela sentia determinada coisa (relaxem, não vou contar tudo da minha vida), e ficou espantada quando eu lhe contei que sentia o mesmo, isso ressuscitou o bichinho de escrever estes textos, mostrar o que sinto para se calhar perceberem que não são os únicos e não terem vergonha de dizerem/fazerem as coisas, resumindo, vou dar o corpo ao manifesto, sejam meigos.

 

Não pretendo fazer textos perfeitos (mentira, eu pretender pretendia, mas não vou conseguir, ver referencia acima sobre opinião das minhas professoras de português) vou apenas escrever sobre o que eu sinto/acho, estão preparados? Eu não estou, vou fazer na mesma.

E pronto esta sou eu (cheia de medo), vou fazer diferente,

 

Se acabaram de ler o texto até ao fim, parabéns a mim, porque ganhei coragem e publiquei isto. 

Viste Cristina? Não custou assim tanto.